Tamanha a quantidade de pessoas que têm problemas com questões relacionadas a seguros de automóveis, resolvi trazer aqui esta matéria com as dúvidas mais frequentes sobre o tema esclarecidas pela equipe da fundação de defesa de consumidores PRO TESTE.

Saiba também, para efeito de comparação, quais são os seguros mais caros dos EUA e o valor médio cobrado dos carros mais vendidos do Brasil.

Claro, o valor da apólice do seguro também é definido pela taxa de roubo em cada região, e pela característica do segurado. Normalmente casados pagam menos que solteiros e mulheres pagam menos que homens, por serem mais cuidadosas.

A ideia em publicar essa lista dos EUA é para mais uma vez mostrar como no Brasil pagamos caro por muito menos.

Há poucas semanas um jornalista da Forbes achou absurdo que por aqui pagamos mais de 80 mil dólares num Jeep Cherokee, veículo de classe média baixa nos Estados Unidos que aqui tem status de produto premium.

Mostrou ainda que com este valor seria possível adquirir três da versão top de linha lá. Sem contar o IPVA, imposto que só existe por aqui… Confira:

Dúvidas sobre Seguros de Automóveis

Enchente

O consumidor pode contratar diversas coberturas. Porém a básica é a cobertura compreensiva, que abrange os riscos de colisão, incêndio e roubo/furto. Essa cobertura também abrange os riscos decorrentes de submersão total ou parcial do veículo em água doce proveniente de enchentes ou inundações. A garantia para o ressarcimento desses danos encontra-se nas condições gerais do seguro automóvel contratado. Em geral, localizam-se abaixo da descrição do que é a cobertura compreensiva, no item que trata de riscos cobertos.

Os consumidores que possuem um seguro automóvel que contém apenas a cobertura de responsabilidade civil facultativa (RCF), por exemplo, não terão direito a indenização, já que essa cobertura não abrange o dano decorrente de alagamento e/ou inundação.

O que fazer

Se você já confirmou que tem direito a indenização, o primeiro passo é entrar em contato com a seguradora para informar o prejuízo ou até mesmo para solicitar o guincho para a retirada do veículo do local da inundação.

No primeiro momento, você não poderá efetuar nenhum reparo no veículo danificado, pois a seguradora irá realizar uma inspeção para verificar se o dano que você sofreu foi parcial ou total. No caso de dano parcial, você participará no prejuízo do dano com o pagamento da franquia. Porém, se o dano for inferior à franquia cobrada, você arcará sozinho com o prejuízo.

O dano total só é caracterizado se os prejuízos causados ao veículo resultantes de um mesmo sinistro atinjam ou ultrapassem 75% do limite máximo de garantia. Nesse caso, o consumidor não participará com nenhuma quantia, e a indenização será total.

Para obter a indenização, você deverá apresentar a documentação solicitada pela seguradora e preencher o formulário de aviso de sinistro. Fique atento ao prazo, pois a seguradora não poderá exceder o limite máximo de trinta dias, se você cumprir todas as exigências contratuais. A contagem do prazo só poderá ser suspensa em caso de dúvida fundada e justificável, para serem solicitados novos documentos.

Caso você não consiga obter a indenização a que tem direito, faça uma denuncia à Susep (Superintendência de Seguros Privados) no site www.susep.gov.br. Se você for associado da PRO TESTE, entre em contato pelo telefone (21) 3906-3900 para que eles façam a intermediação do caso.

Posso exigir que a seguradora devolva dinheiro pago em apólice recusada?

Sim. Se houver recusa da apólice, a seguradora deve deixar claro o motivo e, caso tenha recebido valores do consumidor, deverá restituí-los no prazo de dez dias.

Vale lembrar que a empresa tem até 15 dias para comunicar a aceitação ou não do seguro, segundo as normas da SUSEP (Superintendência de Seguros Privados). Neste caso, ela deverá restituir os valores pagos por você com a devida correção monetária.

Motivos comuns para a recusa incluem carros com chassis remarcados, veículos que não são mais fabricados ou que apresentem irregularidade de emplacamento, por exemplo.

A seguradora pode recusar a sua proposta porque atua com base no risco do mercado. Também por este motivo, quanto maior a possibilidade de ocorrer algum problema com um bem segurado (um sinistro), maior será o valor pago pela consumidor.

Denuncie seguradora que não devolver seu dinheiro

Se a sua seguradora não aceitou sua proposta e não quer restituí-la, denuncie-a aos Órgãos de Defesa do Consumidor e à SUSEP.

Se você já foi vítima desta prática abusiva, entre em contato com a PRO TESTE. Se já for associado, ligue para (21) 3906-3900. Se ainda não for, descubra como podem ajudá-lo pelo telefone (21) 3906-3906

Meu carro sofreu perda total, em quanto tempo a seguradora deverá me indenizar?

O prazo é de 30 dias após a entrega de toda a documentação exigida. Devem ser aplicados juros se não houver pagamento no prazo previsto.

Segundo circular nº 241 da SUSEP, órgão responsável pelo controle e fiscalização das operações de seguro no Brasil, o prazo para liquidação do sinistro, ou seja, para receber a indenização contratada é de 30 (trinta) dias. Segundo a norma, a contagem inicia-se a partir da entrega de todos os documentos exigidos na apólice emitida pela companhia de Seguro.

Atenção! A norma é clara, o prazo não começa a contar da data do acidente com veículo, e sim, quando o consumidor entregar à seguradora todos os documentos necessários previstos no manual do segurado (ou condições gerais) que deve informar, de maneira clara e objetiva, esses procedimentos.

Quando o consumidor entrega a documentação, a análise da seguradora deve ser imediata, ou seja, a existência ou não de alguma pendência documental deve ser informada o mais breve possível pela seguradora. Estando a documentação completa, o prazo de trinta (30) dias começa a correr. Se houver necessidade de complementação, com novos documentos prazos o prazo é suspenso, sendo reiniciado quando comprovadas essas exigências sendo que o segurado deverá preencher este requisito para início do prazo, que só volta a contar no dia que o último documento faltante é entregue. Ressalte-se que a apólice poderá indicar um prazo menor. Se ocorrer esta hipótese, este será o prazo que deverá ser respeitado.

Cabe lembrar ainda que a falta de pagamento da indenização no prazo previsto, resultará na aplicação de juros de mora e incidência de correção monetária a partir da data do inadimplemento.

  • Tenha sempre cópia da apólice em mãos;
  • Analise se as exigências da seguradora estão previstas nas condições gerais ou manual do segurado;
  • Sempre que contatar a seguradora, solicite um protocolo de atendimento;
  • Você também pode acionar seu corretor de seguros, que deverá ajudar a reunir a documentação;
  • Entre em contato com a seguradora o mais rápido possível para comunicar o sinistro (acidente);

O que faço se, em caso de acidente, meu seguro não cobrir tudo o que o corretor prometeu?

A seguradora deve cumprir as promessas feitas na contratação, mesmo que elas não existam no papel.

O corretor, para fechar a venda, pode ter lhe oferecido coberturas maiores que as especificadas no contrato do seguro. Com isso, no momento de receber a indenização, você pode ter sua solicitação recusada pela seguradora. Entretanto, as seguradoras devem se responsabilizar pela atitude dos seus corretores, mesmo que tenham sido oferecidas vantagens que não constavam no contrato, como forma de atrair o consumidor no momento da contratação.

O Código de Defesa do Consumidor determina que o fornecedor, neste caso a seguradora, se responsabilize pelas atitudes dos seus representantes e garanta a manutenção da oferta. Desta forma, você terá direito a indenização, pois a cobertura acordada com o corretor faria parte do contrato de seguro. Contudo, para que a oferta seja mantida, nestes casos, não basta uma reclamação formal junto a seguradora. Você deverá apelar para a justiça.

Para evitar esses problemas, tome alguns cuidados antes mesmo de assinar a proposta do seguro. Para começar, entenda os termos que você vai encontrar no contrato de seguro: seguradora é empresa de seguro; segurado é o consumidor que tem o bem assegurado, ou seja, você; apólice é o mesmo que contrato de seguro; sinistro é o fato coberto pela apólice, roubo, incêndio…; prêmio é o valor que você paga para ter direito a cobertura do seguro; indenização é o que você recebe quando da ocorrência do sinistro; e franquia é o valor mínimo coberto pela seguradora.

Leia integralmente a apólice e não tenha medo de perguntar. Só assine depois de ter esclarecido todas as dúvidas. A apólice assinada pressupõe que você tomou conhecimento do conteúdo do contrato de seguro, ou seja, das cláusulas e da cobertura. Se der por falta de alguma cobertura prometida, peça a inclusão.

Quando ocorrer um sinistro, peça que uma viatura da polícia emita um registro da ocorrência, de forma a registrar o ocorrido. Repasse o documento à companhia de seguro. Em, no máximo, 30 dias você deve receber a indenização.

Se tiver problemas, peça auxílio a à Susep (órgão regulador do setor de seguros) pelo 0800-218484 ou pelo site www.susep.gov.br. Não havendo solução, entre em contato com a PRO TESTE ou recorra à Justiça em até um ano a partir da negativa da indenização.

Seguros mais caros dos EUA

OBS.: Os valores serão atualizados em breve.

Mercedes C63 AMG Coupe

Valor médio do seguro: US$5,532

Audi R8 Spyder Quattro

Valor médio do seguro: US$3,384

Mercedes-Benz CL600

Valor médio do seguro: US$3,307

Mercedes-Benz S600

Valor médio do seguro: US$2,948

Audi R8 4.2 Quattro Coupe

Valor médio do seguro: US$2,903

Porsche Panamera Turbo

Valor médio do seguro: US$2,738

BMW ActiveHybrid 7

Valor médio do seguro: US$2,701

Porsche 911 Turbo/Turbo S Cabriolet

Valor médio do seguro: US$2,674

Mercedes CL65 AMG Coupe

Valor médio do seguro: US$2,669

Mercedes-Benz SL63 AMG

Valor médio do seguro: US$2,615

Mercedes CL63 AMG Coupe

Valor médio do seguro: US$2,613

Jaguar XKR Supercharged Cabriolet

Valor médio do seguro: US$2,585

Audi A8 L Quattro

Valor médio do seguro: US$2,513

Nissan GT-R

Valor médio do seguro: US$2,457

BMW 750XI

Valor médio do seguro: US$2,446

Seguro dos 10 carros mais vendidos do Brasil

OBS.: Valores referentes a 2012; época em que este post foi publicado.

Volkswagen Gol 1.0 Mi Flex 8V 4p

Valor médio do seguro: R$ 2.583,83

Fiat Uno Mille WAY Economy 1.0 Flex 4p

Valor médio do seguro: R$ 1.991,59

Fiat Palio Economy Fire Flex 8V 4p

Valor médio do seguro: R$ 1.776,63

Volkswagen Fox 1.0 Mi Flex 8V 3p

Valor médio do seguro: R$ 1.704,71

Chevrolet Celta 1.0 MPFI 8V Flex 3p

Valor médio do seguro: R$ 1.565,23

Ford Fiesta 1.0 8V Flex 5p

Valor médio do seguro: R$ 1.599,63

Chevrolet Corsa Sedan 1.0 VHC Flex 4p

Valor médio do seguro: R$ 1.632,98

Renault Sandero Hi-Flex 1.0 16V 5p

Valor médio do seguro: R$ 1.776,29

Volkswagen Voyage 1.0 Mi Flex 8V 4p

Valor médio do seguro: R$ 1.474,65

Fiat Siena 1.0 mpi Fire Flex 8v

Valor médio do seguro: R$ 1.918,41

COMPARTILHAR