Eu acho absurda a idéia (com segundas e terceiras intenções, hipócritas e corruptas por parte dos cartolas e políticos) de organizar os jogos olímpicos de 2016 no Rio de Janeiro.

Nós precisamos de investimentos urgentes em educação, saúde, transportes e segurança. Para ficar só nessas áreas. Fora as reformas tributária, política e da previdência…

O gasto com a infra-estrutura de uma Olimpíada é gigantesco. Calcula-se que a China tenha investido mais de 60 bilhões de dólares e Londres, que será a sede em 2012, calcula até agora um gasto de 120 bilhões de reais!.

Se pensarmos que no Brasil a corrupção “arrecada” 120 bilhões de reais por ano, sem Copa do Mundo e sem Jogos Olímpicos, imagine com esses eventos… Esse valor se multiplicará por 2 ou 3, infelizmente.

Em se tratando de esportes, não temos o menor incentivo para nenhuma modalidade além do Futebol.

Olimpíada Rio 2016
Custo da Olimpíada Rio 2016, em maio de 2015…

Nosso basquete é desorganizado, natação idem (se Cesar Cielo não tivesse ido treinar nos EUA bancado pela família, provavelmente não teria ganhado a medalha de ouro). Mesmo o judô que sempre consegue medalhas não é tratado como merecia. Basta lembrar do judoca Eduardo Santos que ao perder a disputa pelo bronze, chorou se desculpando com os pais por não ter conseguido vencer. Ele não pôde nem mesmo pagar o teste para a faixa preta por não ter condições financeiras, e só ganhou a faixa quando foi competir na China!! Isso é o cúmulo do absurdo!

E o futebol feminino, então? Tirando duas ou três meninas que jogam na Europa, o restante desembarcou no Brasil sem emprego! Não tem liga oficial, não tem incentivo da querida CBF que prometera, após o Pan do Rio, reformas no futebol feminino, lembram? E mesmo assim conseguiram a proeza de ganhar medalha de prata!

E falando no Pan 2007, que teve sua primeira medalha de ouro brasileira ganha pelo lutador de taekwondo Diogo Silva, que aproveitando a oportunidade, contou o grande incentivo que recebia da Federação de sua modalidade: 600 reais não mensais, pois tinha mês que não via um centavo. Tinha dificuldades para treinar por conta da falta de dinheiro, tendo que conciliar outro trabalho.

Este é o retrato e a síntese de como o esporte é tratado no Brasil.

Para analisar o que pensam os políticos, pincei alguns trechos de uma entrevista com o ministro dos esportes Orlando Silva, concedida à revista IstoÉ da semana passada. Leiam e tirem suas próprias conclusões.

Texto extraído da Revista IstoÉ e reproduzido sem nenhuma modificação:

Para o ministro dos Esportes, o desafio é convencer o mundo de que fazer uma Olimpíada no Brasil é ousado, mas seguro.

Em Pequim desde a véspera da abertura dos Jogos Olímpicos, o ministro dos Esportes, Orlando Silva, entrou firme na disputa pela realização da Olimpíada de 2016 no Rio de Janeiro. Na China, ele busca marcar pontos importantes na briga contra Madri (Espanha), Chicago (EUA) e Tóquio (Japão), as cidades adversárias, e fez da Casa Brasil – representação do País em um hotel de luxo – o quartel-general da campanha. “Nosso espaço tem sido mais visitado do que os dos concorrentes”, comemora o ministro.

ISTOÉ – O sr. falou de fatores positivos ao Brasil. Quais são os fatores negativos?
Silva – Nosso problema central é superar a desconfiança internacional. Temos que provar que somos confiáveis. É preciso romper com a percepção internacional em relação à capacidade de investimentos do Brasil, sobre a oferta de jogos totalmente seguros no País. Estou convencido de que temos capacidade, mas o problema é convencer os outros disso. O Pan ofereceu ao mundo uma fotografia do que pode ser a segurança dos Jogos Olímpicos no Brasil. Não houve nenhum incidente e o crime comum diminuiu. Claro que uma Olimpíada é outra escala, mas teremos também outra operação.

ISTOÉ – O Brasil vai sediar uma Copa do Mundo de Futebol e agora almeja uma Olimpíada. Temos capacidade de investimento para isso?
Silva – Nessas minhas conversas muitos questionam isso. Mas a Copa só ajuda a alavancar a candidatura olímpica.

ISTOÉ – Como?
Silva – Um exemplo: o aeroporto do Galeão, no Rio, que é um problema crítico colocado pelo COI, vai ter que ser resolvido já para a Copa. O sistema de transporte de massa também. Para nós, a Copa será um certificado de que os investimentos de infra-estrutura no Rio serão bem avaliados. Isso vai ajudar a reverter as incertezas internacionais. Precisamos fazer com que o COI compreenda que fazer uma Olimpíada no Rio é uma atitude ousada, porém segura. Esse é o desafio.

ISTOÉ – Qual é o valor dos investimentos que o Brasil precisa fazer para sediar uma Olimpíada?
Silva – Prefiro não falar em nenhum número agora.

ISTOÉ – Por quê?
Silva – Se eu falar em números agora, vocês publicam e daqui a cinco anos, se esse número não for o mesmo, dirão que houve superfaturamento, ou agora ou lá na frente.

ISTOÉ – O Brasil tem dinheiro para isso?
Silva – Claro que tem. Vamos fazer investimentos que mais cedo ou mais tarde teriam que ser feitos. Temos de montar um modelo que permita que o Estado invista e que o setor privado também invista. O problema é de prioridade.

ISTOÉ – Para fazer o que fez, a China alterou prioridades, paralisou projetos e obras e retirou dinheiro de várias áreas para concentrar tudo nos Jogos Olímpicos. Em um regime democrático, com um Congresso atuante, isso é possível?
Silva – Creio que sim. No Brasil temos uma união muito grande em torno desse projeto. O prefeito da cidade do Rio de Janeiro (Cesar Maia), que é do DEM, pode não morrer de amores por mim, que sou do PCdoB. Entretanto, nos afinamos muito com respeito à candidatura. Temos conversado muito com empresários e eles vêem na Olimpíada a chance de o Rio recuperar um protagonismo no País, buscar sua vocação de cidade internacional. Há um sentimento muito forte para isso. Veja que São Paulo, daqui a pouco, terá o dobro de leitos de hotéis do Rio de Janeiro. Isso é inimaginável.

ISTOÉ – O que mais o surpreendeu em Pequim?
Silva – Tudo é muito eficiente e os serviços funcionam. Mas, como diz o presidente Lula, nada que não possamos fazer.

E para terminar, neste domingo em matéria publicada no UOL, o excelentíssimo Sr. presidente do Comitê Olímpico Brasileiro, Carlos Arthur Nuzman apesar de o Brasil ter conquistado duas medalhas de ouro a menos do que em Atenas-2004 e igualado o número de medalhas de Atlanta-1996, recorde de pódios com 15 conquistas, ele declarou os Jogos de Pequim os melhores da história do esporte brasileiro.

É isso. Desculpem o texto gigante.

COMPARTILHAR