Cientistas resolvem drama familiar com DNA contido em cartões postais

A pesquisa foi conduzida por geneticista da Universidade de Zurique, na Suíça

Recente artigo publicado na revista científica “Forensic Science International” revelou que cientistas realizaram teste de DNA com uma amostra de saliva de uma pessoa que viveu há mais de cem anos e, assim, resolveram um quebra-cabeça familiar. 

Resumindo a história, em 1885, Xaver, um jovem ferreiro austríaco, deixou a casa de seus pais e encontrou um emprego. Foi quando conheceu e se apaixonou por Dina, uma jovem judia, de 17 anos, filha de seu patrão. 

Quando descobriram o relacionamento, Xaver foi demitido e mudou de cidade. Dina, então, para reencontrar seu amor, fugiu de casa, após encontrar alojamento na casa de Ron, de 30 anos, judeu e dono de uma fábrica, onde ela trabalharia. Os dois tiveram uma aproximação em setembro de 1886 e nove meses depois nasceu Renc, filho que supostamente seria do casal. O menino recebeu rituais judaicos.

Mas em 1889, Dina e Xaver se casaram, já que não haviam terminado seu relacionamento. Xaver considerava Renc como seu enteado. O casal teve outros três filhos, um deles é o Arles.

Durante a Segunda Guerra Mundial, época em que judeus eram perseguidos, a ancestralidade judaica de Renc foi mantida em segredo, enquanto seus familiares tinham medo de serem deportados para os campos de concentração. Esse segredo da paternidade foi mantido em segredo por anos, mas entre a família a verdadeira identidade do pai de Renc era passada de geração em geração.

Em 2017, Cordula Hass, geneticista forense da Universidade de Zurique, Suíça, recebeu um pedido inusitado. Os descendentes de Renc e Arles queriam confirmar se Ron era realmente o pai de Renc. Para isso, eles ofereceram amostras de saliva dos descendentes vivos de Dina, Renc e Arles e, a pedido da geneticista, alguns cartões postais que foram usados por Renc e Ron e poderiam ter DNA nos restos de saliva utilizados para colar os selos.

Haas e sua equipe tentaram por um ano e meio solucionar o caso, mas sem sucesso. Em outubro de 2018, desistiram. Mas, em março de 2020, a família encontrou novos cartões postais e pediu para retomar a investigação.

Esses novos cartões postais eram de 1922 e haviam sido enviados por Arles em uma viagem de negócios. Eles foram comparados com o DNA dos cartões enviados por Renc enquanto ele lutava na Primeira Guerra Mundial. 

Com esses cartões, descobriram que havia uma linhagem cromossômica Y em comum, o que provava que os dois irmãos compartilhavam o mesmo pai, ou seja, Xaver era o pai de Renc, e não Ron.

Com o consenso da família, o estudo foi publicado e todos os nomes foram alterados. Mais do que uma descoberta familiar, essa investigação foi considerada um avanço enorme na genealogia genética, pois oferece a oportunidade de as pessoas descobrirem mais sobre os seus ancestrais e suas árvores genealógicas utilizando apenas objetos. 

Para descobrir mais sobre suas origens, os brasileiros já contam com testes genéticos, que são acessíveis a todos e podem ser comprados em alguns cliques na internet. O usuário pode descobrir detalhes sobre a sua ancestralidade, além de conhecer mais sobre a cultura de cada povo que faz parte do seu DNA e as histórias da vinda deles para o Brasil. E ainda descobrirá como se conectar com a cultura dos seus antepassados aqui mesmo do nosso país.

O meuDNA Origens é o teste mais completo do país. Ele consegue apresentar até 88 populações, e os resultados são os únicos focados 100% no público brasileiro, apresentando informações mais personalizadas e especiais. Tudo isso com apenas uma única amostra de saliva e em seis semanas, todos os resultados podem ser conferidos no site.

Sobre o meuDNA Origens

O meuDNA Origens é o único teste focado no público brasileiro e que analisa até 8 gerações anteriores, o que representa os bisavós dos tataravós. O teste identifica as variações genéticas espalhadas pelo DNA de cada pessoa, e compara com as variações características de diferentes povos e catalogadas em um extenso banco de dados. São consideradas 88 populações ao redor do mundo. Os resultados, que podem levar até seis semanas para saírem, também vêm acompanhados de informações sobre a história e cultura de cada povo.

Instagram Adoro Plantas