Ronaldo Fenômeno cria empresa para investir em games e eSports

Ronaldo Fenômeno e o time da Oddz

Um dos maiores atacantes da história da Seleção Brasileira e três vezes considerado o melhor futebolista do mundo, o Fenômeno, Ronaldo Luís Nazário de Lima, vem criando uma holding para dar mais celeridade aos seus investimentos nos esportes eletrônicos. O pentacampeão mundial acredita que a medida é necessária por conta da transformação que o mundo do entretenimento e do esporte vem passando nos últimos tempos. Com o nome de Oddz, a nova companhia do Fenômeno terá mais outros três fundadores e será associada à Nomad, uma startup voltada para o setor dos games criada pelo ex-atacante no ano passado, e que já conta com uma parceria com a desenvolvedora de jogos, Kinship.

De acordo com Ronaldo, com as novidades que surgem no setor da comunicação, apareceram várias formas de divulgar os esportes. Porém, é necessário criar estruturas para desenvolver as ideias fora do campo da atuação da Octagon, outra agência de marketing esportivo de que Ronaldo é sócio majoritário. “Não se trata apenas da necessidade de assegurar a unidade e o controle, mas de potencializar o crescimento de cada equipe em sua área de atuação, com ainda mais cooperação e coesão entre elas” disse o ex-jogador.

Já os demais fundadores da Oddz são Eduardo Baraldi, que atualmente também ocupa o posto de CEO da Octagon na América Latina, Otávio Pereira e Gabriel Lima, que já trabalharam na empresa de marketing esportivo. Já o Fenômeno será o presidente do conselho da nova empresa, Lima será conselheiro e Pereira e Baraldi, além de conselheiros, dividirão o posto de CEO. Desta forma, eles atuarão cada vez mais no dia a dia da companhia, focando na gestão de empresas que serão criadas sob a tutela da Oddz. “Nossos planos são extremamente ambiciosos e pensados para fortalecer todo o ecossistema dos mercados que atuaremos. Mais do que diversificação e geração de receita, é uma questão de deixar nosso legado”, afirma Pereira.

Outros empreendimentos

A Oddz não é a primeira tentativa de Ronaldo de adentrar ao mundo dos esportes eletrônicos. Por aproximadamente três anos, o ex-jogador manteve uma parceria com a CNB eSports Clubs. E quando se tornou sócio da CNB, ele visitou a game house da equipe, jogando até mesmo algumas partidas de League of Legends e até cogitando a possibilidade de pagar uma quantia a mais aos jogadores, se eles vencessem o CBLoL (Campeonato Brasileiro de League of Legends). O torneio, que é tido como uma das principais competições dos esportes eletrônicos em território nacional, conta com milhares de fãs, que além de assistirem às transmissões dos jogos, podem aproveitar as facilidades de apostar com o pay4fun e dar palpites seja no CBLoL, ou em campeonatos de outras modalidades, como DOTA 2 e CS:GO. Porém, logo no início de 2020, o Fenômeno deixou de ser sócio da CNB, após uma péssima temporada da equipe, que acabou sendo rebaixada do CBLoL para o Circuito Desafiante.

Já em 2018, o ex-atacante comprou o Real Valladolid, um time tradicional da Espanha, pela “bagatela” de R$ 141 milhões – mas a sua trajetória no mundo dos negócios começou muito antes desta empreitada. Em 2010, ele criou junto com alguns sócios a 9ine, uma agência de marketing esportivo. A 9ine tinha como objetivo patrocinar e gerenciar a carreira de grandes atletas ou promessas. Dessa forma, a empresa chegou a ter em seu portfólio grandes nomes, como o de Neymar Jr e Anderson Silva. Porém, Ronaldo deixou o empreendimento em 2013, e o seu sócio, Marcos Buaiz passou a focar no agenciamento de artistas.

Em 2016, as atividades da 9ine foram encerradas e, logo depois, Ronaldo comprou a Octagon, voltando para o mundo dos grandes negócios. Ele então deu a seguinte declaração em suas redes sociais: “Eu acredito no potencial brasileiro e sonho em colocar o marketing esportivo e de entretenimento em outro patamar, apostando em novos setores e formatos”.

Ativar Notificações
Receber notificação de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários